ETAP – Escola Profissional festejou os 30 anos de integração de Portugal na União Europeia

A ETAP – Escola Profissional, numa iniciativa do Clube Europeu deste estabelecimento de ensino, assinalou os 30 anos da integração de Portugal na União Europeia com a iniciativa “Semana da Europa”.

Esta semana decorreu entre 05 a 12 de maio e teve várias atividades, conferências, eventos, concerto e cinema em colaboração com diferentes organizações como o Centro de Informação Europeia Jacques Delors, Parlamento Europeu, Eixo-Atlântico, Câmara Municipal de Viana do Castelo, Escola Profissional de Música de Viana do Castelo e Ao Norte.

Esta semana dedicada aos temas europeus e à sua importância nos modelos de desenvolvimento da cidade de Viana do Castelo e da nossa região pretendeu ainda reafirmar os princípios fundadores da história da União Europeia.

Marinho e Pinto: Sou um europeísta! Defendo uma federação de Estados na União Europeia.

Um dos conferencistas presentes nesta iniciativa foi o Deputado Europeu Marinho e Pinto (Grupo da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa) que começou por se afirmar um europeísta convicto “Sou um europeísta. Defendo uma federação de Estados na União Europeia”. Razão pela qual se poderiam evitar os problemas que a UE vive na atualidade. “A UE é hoje um caos: há países europeus fora da União; há países de fora da Europa que querem ser da UE; há países da UE que querem sair da UE; e dentro da UE há países na zona euro e outros fora da zona euro.”

Formação Profissional: o poder do conhecimento

Estando numa escola profissional, Marinho e Pinto, não deixou de se referir à importância que a escola tem hoje. Falou sobre a necessidade de se apostar cada vez mais na formação profissional como um investimento necessário para a atração de emprego bem pago e vencer a concorrência existente neste mundo globalizado. Dizia o Eurodeputado que “a formação profissional é muito importante no mundo competitivo e global em que vivemos. O conhecimento é a chave da porta do mundo desenvolvido na era da globalização.”

Refugiados: porta fechada à Síria e escancarada para a Turquia

Marinho e Pinto, criticou ainda a postura da UE face à problemática dos refugiados que têm chegado à Europa. Referiu o contrassenso existente nos números quer em euros, quer em pessoas pois, segundo afirmou, “a Europa fechou a porta a 3 milhões de sírios e abriu as portas a dezenas de milhões de turcos e ainda lhes deu 6 mil milhões de euros.”

Juventudes Partidárias: “Os melhores devem ser os escolhidos e não os lambe-botas”

Referindo-se à necessidade de educar para a cidadania e da importância de termos cada vez mais cidadãos empenhados nas causas atuais aproveitou por concluir que ”infelizmente os jovens aprendem nas juventudes partidárias o pior dos partidos políticos. Esquece-se o poder do mérito que dá lugar à intriga e à procura do protagonismo. Os melhores devem ser os escolhidos e não os lambe-botas”.

Ultrapassar a pequenez

Sobre o futuro de Portugal na UE e no mundo, Marinho e Pinto, pensa que “é preciso ultrapassar a nossa pequenez. Ver além do horizonte.” Exortou os jovens presentes a “Rasgarem horizontes! O futuro é vosso e não meu. “

Falou sobre as diferenças entre o seu tempo de juventude com as da atualidade: “aos vinte anos estava na cadeia por lutar pela liberdade enquanto dirigente da Associação Académica de Coimbra. Mas aquilo que foi bom no meu tempo não será bom no vosso tempo. Escolham as vossas causas e travem as vossas lutas com verdade e convicção.”

“Sou de Portugal mas sou Europeu”

Ao finalizar a sua intervenção, Marinho e Pinto, convidou os presentes a sentirem-se orgulhosos por serem cidadãos portugueses e europeus. Afirmou que não somos nem mais, nem menos que qualquer outro Estado europeu. Por isso, “quando andarem pela Europa e pelo mundo afirmem com firmeza: “Sou Europeu”, “sou de Portugal mas sou Europeu. Tão europeu como você porque na União Europeia não há emigrantes vindos dos Estados-membros.”