• 30 anos de ensino profissional

Educação para a saúde sobre Planeamento familiar

Decorreu na ETAP-Escola Profissional-Unidade de Formação de Vila Praia de Âncora uma sessão de educação para a saúde subordinada ao tema “Planeamento Familiar”.

Esta atividade insere-se no âmbito do Gabinete de Apoio ao Aluno e foi desenvolvida na sequência da análise de necessidades de intervenção previamente efetuada.

Esta sessão destinou-se à turma do 10º ano do curso de Técnico de Restauração variante Cozinha/Pastelaria, foi coordenada pela enfermeira responsável do Projeto, Carla Viseu e contou também, com a colaboração das estagiárias do curso de enfermagem.

 

A adolescência marca a transição entre a infância e a idade adulta e inclui a faixa etária dos 10 aos 19 anos (DGS, 2012). Nesta fase, é importante promover a aquisição de crenças e valores que irão influenciar a forma como os jovens se relacionam entre si e com eles próprios. Ao longo desta transição, vão desenvolver-se em diferentes níveis, como a nível social, cognitivo, psicológico, físico, emocional e espiritual, nos quais as crenças e valores referidos desempenham um papel importante.

Ao longo desta fase, os jovens são confrontados com situações que lhes despertam o interesse, como o consumo de álcool e drogas ilícitas, a sexualidade, entre outras situações que, quando são realizadas de forma irrefletida, podem levar a comportamentos de risco como é o caso de sexo desprotegido e consumo abusivo de substâncias psicoativas.

A atividade sexual, sem proteção, expõe as adolescentes à gravidez não desejada e às infeções sexualmente transmissíveis. É fundamental que o adolescente sexualmente ativo utilize métodos contracetivos eficazes, de forma correta e consistente, sempre em associação com o preservativo para prevenção simultânea das infeções de transmissão sexual.

Saúde Reprodutiva implica que as pessoas possam ter uma vida sexual satisfatória e segura e decidir se, quando e com que frequência têm filhos. Esta última condição pressupõe o direito de cada indivíduo a ser informado e a acesso a métodos de planeamento familiar da sua escolha, que sejam seguros, eficazes e aceitáveis e, ainda, a serviços de saúde adequados, que permitam às mulheres ter uma gravidez e um parto em segurança e ofereçam aos casais as melhores oportunidades de ter crianças saudáveis. Assim, o direito à saúde sexual, é entendida como potenciadora de uma vida saudável e das relações interpessoais satisfatórias.

 

A equipa responsável pelo projeto de saúde escolar